Hospital da Criança de Chapecó está superlotado

Hospital da Criança de Chapecó está superlotado

O pronto socorro do Hospital da Criança (HC) de Chapecó vem registrando nas últimas 24 horas demanda além da média registrada no mesmo período de dias anteriores. A maior procura por assistência médico hospitalar decorre por queixas de doenças respiratórias. Tais manifestações acometem crianças com maior vulnerabilidade em períodos de inverno.

De acordo com dados apurados junto ao sistema de estatísticas da Associação Hospitalar Lenoir Vargas Ferreira, filantrópica que administra o HC, somente nas últimas 10 horas foram atendidas 112 crianças entre zero e 12 anos, 11 meses e 29 dias. Diante da situação, administração hospitalar solicita compreensão da comunidade para que somente procure atendimento no HC em caso de urgência ou emergência. Administração do HC providenciou para atender a super demanda das últimas 24 horas, mais dois médicos plantonistas. Nesta sexta-feira dois médicos compunham o plantão no pronto socorro tanto matutino como vespertino.

Hospital da Criança de Chapecó conta com 35 leitos para pediatria clínica e 18 leitos na pediatria cirúrgica. Até às 18h00min, quando fora concluído levantamento desta matéria, 100% dos leitos permaneciam ocupados. Já na ala de observação no pronto socorro há seis leitos, sendo três berços e três camas para crianças, além de sete poltronas para aplicação de nebulização e/ou soro com pouco tempo de duração.

A prioridade nos atendimentos é para casos de urgência ou emergência. Todo atendimento no pronto socorro do HC passa pelo Sistema Manchester. Trata-se do sistema internacional de triagem para pronto atendimentos ou pronto socorros. Cada paciente passa por avaliação, onde o mesmo é classificado e identificado de acordo com seu quadro clínico. A identificação ocorre por cores sendo: vermelha atendimento imediato; laranja atendimento em até 10 minutos; amarela atendimento em até 60 minutos; verde atendimento em até 120 minutos e, cor azul atendimento em até 240 minutos, podendo haver reclassificação caso a caso.

Pais e/ou responsáveis por crianças podem tomar alguns cuidados especiais, tais como:

• Consultar um pediatra em unidade de saúde ou consultório;
• Somente ir ao pronto socorro hospitalar com seu filho em casos de emergência ou urgência;
• Evitar levar filhos com gripe ou resfriado para escola ou creche, pois além do repouso necessário para a recuperação, poderá evitar transmissão para outras crianças;
• Evitar que pessoas com gripes ou resfriados fiquem em contato direto com seus filhos pequenos, dentro da sua própria casa;
• Evitar sair de casa com bebês com menos de quatro meses de idade para lugares com aglomerações de pessoas. Nessa idade, as defesas do organismo ainda não estão totalmente desenvolvidas, sendo as crianças nessa faixa etária mais propensa contrair doenças;
• Manter a criança alimentada adequadamente;
• Manter a criança hidratada adequadamente;
• Manter vacinação adequada e a carteirinha em dia;
• Proporcionar aleitamento materno no mínimo até o sexto mês que, além de ser alimento ideal para bebês, o leite materno transmite anticorpos protegendo seu filho de um grande número de doenças;
• Manter a casa e principalmente o quarto das crianças arejado e limpo. É importante não ter nada que possa acumular pó, pois ácaros (grande causador de alergias respiratórias) costumam se fixar em objetos como bichinhos de pelúcia, tapetes, cortinas, protetor de berço, mosquiteiro, almofadas, caixas de brinquedos, entre outros;
• Não fumar e não permitir que fumem dentro da sua casa, em nenhum cômodo, pois a fumaça de cigarros irrita as vias respiratórias.

  • COMPARTILHAR