Um ano de Hospital da Criança

Um ano de Hospital da Criança

Neste mês de maio, o Hospital da Criança (HC), o qual é administrado pela Associação Hospitalar Lenoir Vargas Ferreira, mesma entidade filantrópica que administra o Hospital Regional do Oeste (HRO), completa um ano de atividades. Neste primeiro ano, foram realizados mais de 47 mil atendimentos no Pronto Socorro, 1.067 internações e 742 cirurgias. Em percentuais isso representa que dos mais de 47 mil atendimentos no PS do HC, apenas 2,27% foram casos que necessitaram de internação.

Com base no banco de dados do HC, nestes primeiros 12 meses de ininterrupto funcionamento daquele nosocômio, em média já foram atendidos 3.917 pacientes por mês, perfazendo 130 atendimentos por dia, o que representa uma média de 5,44 pacientes por hora. Quando a ala pediátrica funcionava junto ao HRO, a média de atendimento na especialidade pediátrica era de apenas 50 por dia. Mesmo com a demanda que aumentou em 100%, os casos de urgência e emergência representam apenas cerca de 1,3%. Por outro lado, nestes 12 meses, onde mais de 47 mil atendimentos foram prestados, o índice de óbitos em 2011 fora de apenas 0,01%. Já em 2012, a taxa de mortalidade registrada no Hospital da Criança, é 0% (zero), o que representa alto índice de resolutividade no atendimento aos pequeninos.

Hoje atendem no espaço 112 funcionários, os quais desempenham atividades nos serviços de enfermagem e administrativo, juntamente com 19 médicos pediatras. Os 19 pediatras estão assim distribuídos em suas funções: oito atuam na escala de plantão 24 horas no pronto socorro; oito clínicos em sobreaviso; e, três são cirurgiões que atuam na demanda de procedimentos no Centro Cirúrgico. De acordo com o diretor médico do HC, Rajá Elias, há 53 especialidades médicas no Brasil.

Neste universo, há em Chapecó atuando profissionais de todas essas especialidades, os quais, de acordo com a necessidade de urgência e emergência, podem ser acionados para prestar atendimento no PS juntamente com o médico pediatra plantonista. O HC mantém 24 horas plantão médico com toda equipe de apoio, em diversas especialidades em sobreaviso. Devido ao fato de agora existir uma ala especial para as crianças, com um atendimento direcionado para esse público, houve reflexo positivo na redução de internações. Quando a Pediatria estava instalada no Hospital Regional do Oeste (HRO), eram registradas cerca de 30 internações/mês, sendo que agora no Hospital da Criança (HC) são 89 por mês. Isso é reflexo de um conjunto de ações desde a humanização até a alta dos pequenos pacientes, reflexo extremamente positivo em termos de resolutividade. No HC os atendimentos são especificamente para atender casos de Urgência e Emergência a crianças de zero a 13 anos, 11 meses e 29 dias.

De acordo com Rajá Elias, Diretor Médico do Hospital da Criança, esses números mostram o avanço na saúde e no atendimento as crianças. “Estamos preocupados com o atendimento de qualidade e não com a quantidade de atendimentos. Queremos atender bem e a todos”, destacou.

Rajá aponta que a missão do Hospital da Criança é atender todos os casos de urgência e emergência. Ele explica que os casos de urgência são aqueles em que a criança deve ser atendida, mas não apresenta risco imediato, como por exemplo, dores agudas e febre elevada. Já os casos de emergência, segundo o médico pediatra, que também é delegado do Conselho Regional de Medicina em Santa Catarina para região de Chapecó, Rajá Elias, são os que apresentam risco imediato à vida e, que deve haver atendimento emergencial, como por exemplo: casos de coma, traumatismo craniano e ou insuficiência cárdio respiratória. “Os casos que chegam até o Hospital da Criança são os mais variados, e são atendidos de acordo com a urgência e emergência de cada caso”, destacou.

O médico também orienta aos pais ou responsáveis, que quando necessitarem de atendimento médico aos pequeninos sigam as seguintes orientações. “Primeiramente procurar a unidade de saúde do seu bairro para primeira avaliação. A segunda etapa é procurar um dos Pronto Atendimentos no centro ou na grande Efapi, em terceira e última opção buscar, em caso de urgência ou emergência, serviço médico em hospital. “O que observamos hoje é que 90% dos casos que chegam até o hospital poderiam ter sido resolvidos na rede básica de saúde”, comentou. Outra questão apontada pelo médico, que também é enfatizado pela Sociedade Brasileira de Pediatria, é o comodismo da população. “É mais fácil procurar os serviços que atendem 24 horas por dia”, explicou.

Emergência e Urgência, Qual a Diferença?

Emergência é quando há uma situação crítica ou algo iminente, com ocorrência de perigo; incidente; imprevisto. No âmbito da medicina, é a circunstância que exige uma cirurgia ou intervenção médica de imediato.

Urgência é quando há uma situação que não pode ser adiada, que deve ser resolvida rapidamente, pois se houver demora, corre-se o risco até mesmo de morte. Na medicina, ocorrências de caráter urgente necessitam de tratamento médico e muitas vezes de cirurgia, contudo, possuem um caráter menos imediatista.

  • COMPARTILHAR